Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SAMORA EM MOVIMENTO

" A INFORMAÇÃO NO MOMENTO "

SAMORA EM MOVIMENTO

" A INFORMAÇÃO NO MOMENTO "

OBRAS NA EN 118

 

NOTICIA RADIO CIDADE DE TOMAR 

 

Alcindo Cordeiro da área de Santarém das Estradas de Portugal, anunciou no “Dia da Memória”, o “Plano de Contingência para a EN118”, que prevê uma intervenção entre o limite do distrito de Setúbal, com o de Santarém (ponte das enguias) e Samora Correia, ou seja entre o km 10+950, e o 30+000.


A informação chegou do Governo Civil de Santarém:

Um troço problemático, onde em 2009 ocorreram 19 acidente rodoviários, provocando 6 mortos, 7 feridos graves e 31 feridos ligeiros.
Serão colocados painéis de sinalização, marcação de linha dupla contínua em diversos troços, marcadores luminosos na faixa que ficam intermitentes, sempre que a velocidade permitida for ultrapassada, entre outros equipamentos que permitirão alertar o condutor, para uma condução mais segura e defensiva do acidente.

Os trabalhos foram consignados a 15 de Novembro de 2010, a previsão de abertura ao tráfego aponta para 14 de Janeiro de 2011, num valor de adjudicação de 260 mil€.

 

DIALOGO DE SURDOS

 

NOTICIA JORNAL O MIRANTE

 

O presidente da Câmara Municipal de Benavente, António José Ganhão (CDU), acusou na tarde de 21 de Novembro o Governo e a administração central de ignorarem os pedidos de reforço de médicos para o concelho e chegou mesmo a dizer que os poucos diálogos travados entre ambos foram “de surdos”.

 

“O diálogo entre quem vos representa e quem representa o povo português, estou a falar do governo e administração central, tem sido um diálogo de surdos e de equívocos. É preciso dizer basta, chega. Não nos venham com mais mentiras, não nos venham vender mais ilusões, porque de ilusões estamos fartos, estamos saturados”, criticou o presidente do município.

 

As criticas foram feitas durante um encontro da Comissão de Utentes de Benavente, que juntou no centro cultural da sede de concelho duas centenas de pessoas, alguns deles funcionários dos centros de saúde e unidades de saúde familiar.

 

“É natural, sem recursos humanos, sem médicos, que o problema se agrave. Especialmente com um médico que vem aqui e chega a correr de outro lado, não dormiu de noite e tem de ir à pastelaria tomar um café para não adormecer. Assim caminharemos para uma situação de colapso da saúde do concelho”, criticou.