25 de Junho de 2011

 

 

noticia miranteonline

 

O concelho de Benavente “perdeu imenso” com as medidas preventivas do novo aeroporto de Lisboa, previsto para nascer nos terrenos do campo de tiro de Alcochete e foram uma “perda de tempo”. A opinião é do presidente da Câmara Municipal de Benavente, António José Ganhão (CDU), que diz não ter dúvidas que as medidas preventivas - destinadas a defender o ordenamento do território e a travar a especulação imobiliária da zona - vão cair e não poderão ser alvo de uma nova prorrogação de prazo.

 

“A partir do dia 1 de Julho essas medidas não poderão ser prorrogadas novamente, a menos que haja um novo diploma a substituir essas medidas. Mas com todos os problemas que o país vive acho que os deputados vão estar preocupados com outras matérias e não com esta questão das medidas preventivas”, disse a O MIRANTE à margem da última reunião pública do executivo, realizada na tarde de 20 de Junho.

 

“Não estou a ver que haja a perspectiva de se manterem estas medidas preventivas, o que nos alivia um pouco porque tem sido uma pressão enorme no município e temos assistido ao afastamento de muita gente que aqui podia ter investido”, lamenta o autarca.

 

António Ganhão garante que não vai pedir uma indemnização ao Estado pelos prejuízos causados pelas medidas mas salienta que essa seria a atitude “mais justa”, tendo em conta as medidas compensatórias entregues aos municípios do Oeste. “Estamos a falar de critérios que foram usados e que deviam ser aplicados do mesmo modo”, defende.

 

A decisão de construir o novo aeroporto de Lisboa ficou numa indefinição com a queda do governo socialista liderado por José Sócrates. As medidas preventivas mais restritivas abrangem os municípios de Benavente, Coruche, Alcochete, Montijo e Palmela. As medidas, recorde-se, implicam que a criação de novos núcleos populacionais, nomeadamente turísticos, fiquem proibidos ou sujeitos a pareceres obrigatórios, incluindo operações de loteamento e urbanização, construção, reconstrução e ampliação de edifícios. Também a construção de equipamentos e infra-estruturas de energia eléctrica e telecomunicações ficou condicionada. Em Novembro do ano passado a deslocalização das pistas de voo dois quilómetros para norte ao contrário do que estava inicialmente previsto fez os autarcas temerem que a freguesia de Santo Estêvão viesse a transformar-se na nova aldeia da luz, que ficou submersa por influência da barragem do Alqueva.

PUBLICADO POR samoraemmovimento às 23:40

QUEM SOMOS

VER PERFIL

SEGUIR PERFIL

3 seguidores
PESQUISAR
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
17
18

23

29


ARQUIVOS
2019:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2018:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2017:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2016:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2015:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2014:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2013:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO